...
Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Arquivos de Tag: DPA

Plataforma DPA low-code gera muito mais valor

Transformação digital com automação de processos e DPA low-code. Entenda! A transformação digital exige a automação dos processos de negócios e investimentos em soluções DPA low-code.   É notório que a transformação digital requer a automação de processos. Em um mercado cada vez mais competitivo, tempo é sinônimo de dinheiro. Por isso, as empresas devem focar em ações que favoreçam a otimização das tarefas. Muitos profissionais estão sobrecarregados de trabalho e o prazo costuma ser o principal desafio dos projetos. A saída é buscar ajuda nas ferramentas de automação de processos, selecionando a mais indicada para cada situação. Neste artigo, você vai conhecer opções e insights que vão ajudar na implementação da transformação digital no seu negócio. Confira!   Economia e eficiência com plataformas low-code  Com ferramentas DPA (Digital Process Automation) é possível reduzir drasticamente o tempo de criação de soluções de negócio. O processo tradicional de codificação — com linguagens de programação, frameworks e middleware — para criar software sob medida foi o problema citado como maior empecilho para entregar seu trabalho no prazo por 31% dos desenvolvedores ouvidos em pesquisa da Forrester mencionada pelo Computerworld. O Gartner considera a economia no tempo de entrega uma das principais vantagens das plataformas low-code, que não exigem do desenvolvedor conhecimentos profundos de TI. Plataformas de automação de processos low-code podem ajudá-lo a entregar soluções de negócio muito rapidamente — o que significa, por exemplo, sete minutos para criar uma solução simples, como você pode ver nesta demonstração em vídeo. Estima-se que até 2023, nas grandes empresas, a quantidade de pessoas que não são desenvolvedores profissionais, mas utilizam ferramentas low-code para desenvolvimento de processos, como o Zuri, será quatro vezes maior do que o número de profissionais da área de TI.   Boas práticas de desenvolvimento tecnológico Isso demonstra o quanto é importante que os líderes de TI e de diferentes áreas de negócios trabalhem em parceria para o benefício da transformação digital da empresa. Em estudo intitulado The Future of Apps Must Include Citizen Development — O futuro dos aplicativos precisa incluir o desenvolvimento por leigos — publicado em outubro de 2019, o Gartner recomenda aos “responsáveis por desenvolvimento e plataformas” que: trabalhem com foco na redução de riscos de Shadow IT por meio do trabalho com líderes de unidades de negócios, designando profissionais que não são programadores, nem de TI, para se tornarem “desenvolvedores” de aplicações. Esses profissionais são chamados pelo Gartner de “desenvolvedores cidadãos”, ou seja, desenvolvedores que não são técnicos, nem de TI, nem programadores. Essa estratégia tem o objetivo de estabelecer zonas de atividade segura e de confiança para a empresa; habilitem práticas de desenvolvimento de aplicações feitas pelos desenvolvedores não-técnicos, criando uma comunidade de prática que inclua tanto as unidades de negócios quanto a unidade de TI; aprimorem, constantemente, os resultados para aplicações criadas pelos “desenvolvedores cidadãos”, unindo áreas de negócios e a seleção de TI sobre as ferramentas ideais e tecnologias que facilitam esses desenvolvedores não-técnicos para criarem suas próprias soluções (aplicações) de negócios.   Automação de processos para transformação digital por meio de DPA e RPA Ao lado das soluções de DPA estão, entre as ferramentas mais populares do mercado, as soluções de RPA — Robotic Process Automation —, que podem ser ou não ferramentas low-code. A principal característica é utilizar “robôs virtuais”. Ou seja, funcionalidades de software que atuam como robôs e são especialmente úteis para a automação de tarefas repetitivas de rotina, com grande economia de tempo na entrega de soluções de processos de negócio. Essas ferramentas, por sua praticidade na automação de inúmeros processos burocráticos, têm alcançado grande sucesso no mercado. Segundo dados do Gartner, em estudo de janeiro de 2019, em 2017 houve um renovado interesse em tecnologias de automação de processos de negócios, com o mercado de ferramentas RPA explodindo, já que “o RPA promete um rápido retorno do investimento (ROI),  impulsionado pela integração no nível da interface do usuário (…) O RPA representa uma maneira de liberar recursos humanos, gerando rapidamente valor para os negócios”.  A tendência é que, com o progresso da Inteligência Artificial, as plataformas RPA se tornem cada vez mais sofisticadas, estendendo-se por um espectro que começa com a digitalização tática e termina com funções cognitivas avançadas, capazes de gerenciar exceções. O RPA vai incorporar, gradualmente, o aprendizado de máquina e o suporte a chatbots, aumentando a cobertura de casos de uso e seu valor para a empresa.   Cases de sucesso Como em todo o mundo, também no Brasil organizações de diferentes segmentos têm conseguido utilizar com sucesso ferramentas DPA e RPA para a automação de seus processos de negócios. Veja alguns exemplos de projetos bem-sucedidos de empresas que optaram pela plataforma de processos low-code Zuri, para desenvolvimento de soluções de negócio por meio de ferramentas intuitivas e visuais. Gestão de frotas Uma empresa de benefícios que desejava compartilhar a base de clientes da unidade de negócios de gestão de frotas com outras unidades da companhia criou aplicação para essa finalidade em um mês e meio, a custo bastante econômico, impulsionando o payback e o ROI. O acesso de outras unidades de negócio àquela base de clientes gerou valor monetário significativo, maximizando esforços de prospecção e de outras atividades comerciais.   Mercado financeiro Um grande banco obteve um enorme ganho de tempo na aprovação do acesso de funcionários aos seus sistemas internos. Com a substituição de processos manuais baseados em telefone e e-mail por solução desenvolvida na plataforma Zuri, o prazo de aprovação para um dos serviços passou de dois dias para apenas alguns segundos.   Setor de benefícios Uma grande empresa do setor de benefícios, considerada líder no âmbito do PAT — Programa de Alimentação do Trabalhador, instituído pelo Ministério da Fazenda, precisava criar e lançar uma nova oferta de negócios em tempo recorde, acelerando o time-to-market e se antecipando aos concorrentes. A solução foi desenvolvida em um mês e, com economia de 75% em relação aos gastos inicialmente previstos com o desenvolvimento por métodos tradicionais, foi possível lançar a nova oferta […]

Automação de Processos Transforma sua Organização

Automação de Processos Transforma sua Organização Iniciamos com uma provocação: Qual a relação entre processos e sua organização? Uma empresa é uma sucessão de trabalhos, atividades, tarefas, para a realização de um objetivo. Estas atividades cotidianas precisam ser gerenciadas e, com o aprimoramento e atualização, são automatizadas e melhoram o desempenho da organização. Por isso, iniciamos afirmando que a automação de processos transforma sua organização.  Um processo é uma junção de atividades executadas pelos colaboradores para alcançar os resultados esperados pela função, área ou departamento. É dessa forma que o trabalho agrega valor para os clientes. Muito próximo não?! O funcionamento de uma empresa é indissociável com os processos produtivos, gerenciais ou de suporte. Tudo que é realizado dentro de uma empresa faz parte de um processo. Um produto ou informação entra, é transformado e gera uma saída esperada.  Por esse motivo os processos são tão importantes dentro das organizações.  São através deles que são conduzidas as principais atividades de compras, vendas, processos de performance, atendimento ao cliente, recursos humanos, financeiros, qualidade, marketing e tantas outras atividades.  Consagrado no mercado o BPM (Business Process Management) nos fornece um conjunto de conhecimentos sobre os princípios e práticas de gestão de processos, oferecendo para a organização que o pratica a capacidade de gerenciar seus processos de forma eficiente e eficaz.  As empresas que aderem o BPM, buscam nessa disciplina, entregar maior valor para o cliente, eliminar gargalos, otimizar os fluxos operacionais, eliminar desperdícios, e por fim, entregar mais e melhor para os clientes. A resultante dessa adoção é maior lucratividade.  Muitas organizações adotam o chamado BPMN (Business Process Model and Notation), que vem se tornando um padrão para desenho de processo através de sua notação icônica. O desenho de processos é parte da tarefa de mapeamento de processos.  Automatizar os processos já é outra história. Começamos a entrar no mundo da tecnologia.  Os BPMS (Business Process Management Systems) são ferramentas que automatizam todo o fluxo de informações e ações identificados e desenhados nas fases anteriores.  Porém, com o avanço tecnológico e a necessidade de acompanhamento das mudanças nas demandas dos negócios e clientes, decorrentes da chamada Transformação Digital, as organizações estão migrando dos conceitos do BPM para o DPA (Digital Process Automation) e RPA (Robotic Process Automation).  Tudo bem, o DPA e RPA são um subconjunto importante do BPM, mas essa mudança na tecnologia está ancorada na crescente necessidade de negócios para automatizar os processos.  Benefícios bastante palpáveis na adoção de soluções DPA / RPA são: permitir operações mais ágeis; redução dos custos; redução de erro humano, e foco no cliente.  Visto que o DPA/RPA não necessita tanto do elemento humano quanto aqueles que estão fundamentados no BPM, ele permite que as etapas mecânicas sejam gerenciadas por um fluxo de processos automatizados e inteligentes.  A Forrester afirma: “À medida que as organizações realizam esforços de transformação digital, surge uma importante visão: o processo é importante. Os investimentos em bonitas experiências móveis e na web não vão mudar a agulha da bússola, a menos que os profissionais de desenvolvimento de aplicativos garantam que os processos no back-end estejam alinhados para oferecer suporte a uma verdadeira experiência do cliente de ponta a ponta.”  A Zuri entrega exatamente isso, permitindo que as mudanças nos negócios sejam rápidas através de interfaces intuitivas (Low-Code), atento à experiência do usuário e assim permitindo uma rápida inovação.   Automação de processos na era da transformação digital Preencha o formulário para baixar seu e-book gratuitamente! Nome* Email* Baixar E-book!     Vamos conversar sobre como automação ajuda você? Conheça a solução Zuri, a plataforma de automação usada nas melhores e maiores organizações há mais de 20 anos. 

Automatizar processos com a ferramenta certa

ferramenta certa de automação

Automatizar processos com a ferramenta certa, na hora certa   A necessidade da transformação digital conduz as empresas à automação, não há dúvida. A questão é a ferramenta a ser escolhida para cada situação. É importante conhecer as características dos diversos tipos de ferramentas de automação para acertar na decisão de onde aplicar cada uma delas: DPA (Digital Process Automation), RPA (Robotic Process Automation), plataformas low-code? O que escolher, e quando? Em pesquisa realizada no ano passado pelo Forrester Group1, dois terços dos executivos responsáveis por decisões corporativas afirmaram estar sua empresa envolvida na transformação digital, que 16% já consideravam concluída. As tecnologias de automação têm um papel central nesse processo. Às ferramentas mais tradicionais, como as suítes BPM (Business Process Management), hoje se somam as plataformas DPA (Digital Process Automation) e RPA (Robotic Process Automation), agora incorporando inteligência artificial e aprendizado de máquina, da mesma forma que as plataformas low-code – plataformas que permitem o rápido desenvolvimento de aplicações de negócios, não necessariamente por profissionais de TI, ajudando enormemente a agilizar o desenvolvimento de sistemas DPA e RPA. No processo de transformação digital das empresas, as funções de toda a organização de TI, de seus profissionais e do próprio CIO estão evoluindo para unir tecnologia e negócios, transformando seu papel em direção ao maior comprometimento com os resultados e futuro da empresa. Em suas predições para este ano de 2020, o Gartner comenta quais seriam as novas prioridades e foco do CIO2.   De que você precisa? Posso ajudar?  Simplificando, podemos dizer que quando se fala em sistemas BPM e DPA-deep, por exemplo, a perspectiva é de uma mudança global de processos corporativos em nível total, profundo e complexo – automação de processos e melhoria contínua. Para isso, nas empresas, um número reduzido de profissionais altamente qualificados tem como objetivo a transformação digital da empresa como um todo, contribuindo com os diversos departamentos no sentido de entendimento de onde a empresa deve inovar, além de fornecer métricas visando o aprimoramento contínuo dos sistemas de automação de negócios. Já as ferramentas DPA (ou DPA-wide) se aplicam a processos pontuais, “viralizando” até que se complete a jornada do cliente em direção à transformação digital. Esses sistemas estendem o design de processo para além dos grupos de desenvolvimento, pequenos e altamente qualificados, incluindo usuários corporativos, também conhecidos como “citizen developers” ou “usuários de negócios” (link artigo). Está, portanto, mais associado ao design thinking e à otimização da jornada do cliente (interno ou externo) do que à transformação digital da organização em toda a sua profundidade.  Além disso, o DPA prevê o acesso do cliente aos aplicativos por meio de front-ends para celular ou web. O mais recomendável hoje é que os projetos DPA sejam realizados com a utilização de plataformas low-code e metodologia Ágil. Os sistemas RPA têm um sentido eminentemente tático. Lembrando que robotic aqui se refere a software, e não a hardware, esses sistemas são indicados para a automação de processos de negócios capazes de substituir por scripts de bots horas de trabalho humano simples, repetitivos e sujeitos a erros, como o preenchimento de tabelas e entrada de dados. Por exemplo, um banco internacional precisava que os funcionários digitassem dados (muitos deles repetitivos) em 50 diferentes sistemas para integrar um novo cliente. Sem nenhuma alteração no processo, o banco implementou o RPA com sucesso no que toca a agilidade e precisão. É claro que as plataformas low-code podem ser grandes aliadas no desenvolvimento de sistemas RPA para facilitar a tarefa de programação, e, também nesse caso, a metodologia Ágil  será aplicável com inúmeras vantagens.   Plataformas low-code e organização de TI De acordo com o Gartner, “até 2024, o desenvolvimento de aplicações low-code corresponderá a mais de 65% de toda a atividade de desenvolvimento de aplicações3”. Dessa forma, não surpreende que plataformas low-code sejam excelentes aliadas da organização de TI nas empresas. Uma plataforma low-code é um conjunto de ferramentas que permite a não programadores a criação de aplicativos. Elas eliminam a necessidade de escrever milhares de linhas de código e sintaxe complexa, substituídas por blocos de código pré-existentes, utilizados por meio de uma interface visual do tipo “arrastar e soltar”. Essas plataformas fornecem componentes padrão, como formulários, modelos de relatório e snippets de códigos prontos para uso, e muitas delas incluem, ainda, miniaplicativos prontos para serem instalados e personalizados de acordo com os requisitos do usuário. Elas tornam o desenvolvimento de aplicações mais rápido e mais fácil, diminuindo a pressão sobre a TI para a entrega de sistemas específicos e para a realização de mudanças nesse tipo de sistema, que são cada vez mais frequentes dado o dinamismo dos negócios. Sem contar a redução de custos… Também ajudam a integrar os profissionais das áreas técnicas e de negócio – na medida em que as plataformas low-code podem ser utilizadas por não especialistas – à organização de TI, minimizando a shadow IT. E, sob esse aspecto, é bom lembrar que é possível escolher no mercado plataformas low-code que tragam, embutida, a governança da organização de TI às aplicações desenvolvidas. Resumindo, as principais características que devem ser buscadas em uma plataforma low-code são: Modelagem visual Configuração “arrasta e solta” Compatibilidade com diferentes dispositivos e canais Escalabilidade   Se você quer mais detalhes sobre a melhor maneira de automatizar seus processos de negócio, baixe o eBook “Automação de processos na era da transformação digital: uma mudança de paradigma”.     “PhD. Leandro Zerbinatti, Diretor de Serviços na Zuri”Mentor de Transformação Digital e Professor PHD, Leandro traz em seu legado vasta experiência corporativa em áreas do ciclo de desenvolvimento da Engenharia de Sistemas (Eletrônicos e de Informação), Inovação e Capacitação de Pessoas. Nos últimos anos, aprofundou seu expertise na tecnologia low-code e atuou como líder de Academy para a Outsystems, gigante do mercado global em tecnologia low-code, focada em desenvolvimento de aplicativos..   Referências: RPA, DPA, BPM, And DCM Platforms: The Differences You Need To Know, Forrester Research, março de 2019, por Craig Le Clair Predicts 2020: Barriers Fall as Technology Adoption […]

Descubra como ter processos mais eficientes na sua empresa

Descubra como ter processos mais eficientes na sua empresa Processos mais eficientes sem pesar no orçamento da empresa. Descubra como é possível otimizar o negócio sem realizar grandes investimentos financeiros.   Em seu dia a dia de trabalho você sofre uma série de pressões que exigem o constante aprimoramento dos serviços da TI, obrigando sua área a inovar sempre. Ter processos mais eficientes é, sem sombra de dúvidas, um dos desafios diários em qualquer mercado. Reforçando a necessidade permanente de se reinventar, surgem a cada momento novas tecnologias. No caso dos responsáveis pela TI de uma empresa, essa atualização é uma condição essencial para que consiga entregar soluções de modo rápido e eficiente, com as respostas requeridas pelas áreas de negócio — e, se possível, surpreendendo-as positivamente. Só assim o trabalho será reconhecido como efetivo na busca por resultados da empresa.  Neste artigo, você vai descobrir como ter processos mais eficientes, mesmo com um orçamento apertado. Confira!     Necessidade de aprimorar os processos Muitas vezes, o merecido reconhecimento dos responsáveis pela TI de uma empresa, não ocorre de maneira tão óbvia, mesmo em tempo de transformação digital e constatação da relevância desses profissionais. Uma recente pesquisa do Gartner, entrevistando 90 CEOs de empresas de tecnologia, mostra que 68% deles têm como prioridade a expansão da empresa, mas somente 26% deles veem como prioritário o aprimoramento de processos de negócio. Isso revela o grau do descompasso entre o desejo de crescimento e a percepção (correta) de que melhores processos impulsionam maiores receitas. Vamos avaliar um exemplo real: uma empresa de serviços de tecnologia, oferecendo ao mercado uma excelente arquitetura corporativa, fechava negócio 90% das vezes em que apresentava prova de conceito ao possível novo cliente. O que essa empresa poderia fazer para se expandir no mercado? A ideia do CEO era contratar mais profissionais, para apresentar provas de conceito a um maior número de potenciais clientes. Em vez disso, o Gartner recomendou a criação de uma prova de conceito on-line, para autoatendimento. Dessa forma, sem limites no número de apresentações, a taxa de fechamento de negócios passou a ser de 65% e foi possível à empresa dar conta de um número muito maior de atendimentos sem novas contratações.   Processos mais eficientes por meio da automação Um atributo-chave da inovação em negócios é o desenvolvimento de processos automatizados escaláveis, que permitem maior crescimento no longo prazo. A prioridade, tanto nos processos de front-office — como vendas e marketing —, quanto nos processos de back-office — como contabilidade, finanças e recursos humanos — deve ser sempre o desenvolvimento dos processos escaláveis. Sem automação, a otimização de processos se torna uma tarefa praticamente impossível. E há ferramentas certas para diferentes tipos de automação de processos.   Soluções Robotic Process Automation As soluções RPA — Robotic Process Automation —  são um modo eficiente de você rapidamente agilizar os processos repetitivos e uma boa maneira de iniciar uma estratégia de automação de longo prazo. Funcionalidades presentes em soluções RPA para automação de processos são capazes de executar atividades operacionais de rotina, ligadas a processos burocráticos. Com essas soluções você emula ações humanas tanto em tarefas determinadas quanto nas diferentes etapas de processos mais complexos. Isso inclui, por exemplo: a resposta automática a e-mails; processamento on-line de ordens de compra; categorização de chamados de suporte; gerenciamento de folhas de pagamento; transferência de dados entre diferentes sistemas, entre muitas outras possibilidades.  De acordo com uma publicação da Forrester Research, o RPA seria uma abordagem tática, para “aliviar as dores” de um processo penoso, enquanto o BPM — Business Process Management — tem como objetivo modernizar e, continuamente, aprimorar os processos de negócios.   Digital Process Automation O conceito de Digital Process Automation — DPA — pode ser considerado uma evolução da categoria BPM, expressando a necessidade cada vez maior de automatizar processos, como elemento essencial da jornada das empresas rumo à transformação digital. A Forrester Research diferencia o DPA–deep (um DPA profundo) do DPA–wide (um DPA largo), sendo o primeiro destinado a um pequeno e seleto grupo de profissionais de TI altamente qualificado, com foco em processos muito complexos e capazes de determinar onde inovar ou não. Essas soluções DPA-deep também são caracterizadas pelo foco em criar aplicações mais complexas, portanto, um número menor se comparado à DPA-wide. O DPA-wide seria “para as massas”, estendendo o design do processo para além dos pequenos grupos de desenvolvimento altamente qualificados para os usuários corporativos, utilizando plataformas low-code, ou mesmo no-code. Ou seja, todos podem se beneficiar de soluções DPA low-code de automação de processos. Outra característica dessas soluções DPA-wide é a escalabilidade, o foco em centenas de aplicações. Por dispensarem codificação, essas plataformas não exigem uma alta qualificação em TI do profissional desenvolvedor. Ainda assim, permitem mudanças significativas em modelos e procedimentos operacionais — como fluxos de trabalho, regras de negócio, modelos de dados e modelos de decisão, entre outros — influenciando diretamente os processos e resultados operacionais da empresa.   DPA-Deep e DPA-Wide A questão que se apresenta é: como ter uma plataforma que sirva tanto aos times de TI (DPA-Deep) como para os times de negócios (DPA-Wide) ao mesmo tempo? Um modelo ideal é a solução Zuri, que resolve de forma simples problemas altamente complexos, tanto para equipes de TI quanto para equipes de negócios. Profissionais de negócios sem conhecimento em linguagem de programação e desenvolvimento conseguem usar o Zuri para criar sua própria solução de automação de processos de negócios. Ao mesmo tempo, o Zuri também atende equipes de TI, fornecendo criação de aplicações complexas com integrações de sistemas, e tudo sob fácil governança, seguindo compliance e outras regras de negócios. A Forrester Research identifica ainda outra classe de produtos para automação de processos: DCM (Dynamic Case Management), voltada a ambientes múltiplos, processos específicos caso a caso ou investigações: “é importante entender as diferenças entre as tecnologias para a automação de processos. Mas também é importante compreender como elas podem funcionar em conjunto. A Forrester identifica silos de automação sendo criados em empresas – […]

Tarefas repetidas e rotinas de trabalho: como gerar mais valor?

tarefas repetidas e rotinas de trabalho

Tarefas repetidas e rotinas de trabalho: como gerar mais valor? 10 razões para você adotar já a automação de processos em sua empresa Com que ferramentas seus funcionários trabalham para tocar o dia a dia da empresa? Muito frequentemente, os processos de trabalho são organizados por aplicações não estruturadas, como e-mails, planilhas eletrônicas e processadores de texto. Mas será essa a melhor maneira de gerar valor para sua empresa, de modo a criar as vantagens competitivas necessárias ao sucesso no mercado? Quanto maior o volume e a complexidade das tarefas envolvidas, maior também a necessidade de ferramentas que proporcionem mais eficiência às operações da empresa (em termos de economia de tempo e/ou dinheiro), além de maior precisão dos resultados. Na era da transformação digital as empresas têm muito a ganhar com a automação de processos, ou DPA – Digital Process Automation. São inúmeros os casos de empresas que vêm adiando a adoção dessas ferramentas por razões que vão desde a resistência cultural até as dificuldades decorrentes de um emaranhado de sistemas legados, cuja complexidade representa um osbstáculo real à racionalização e, portanto, à automação de processos. Um outro fator que costuma travar o desenvolvimento da empresa em direção a essa automação é o desconhecimento dos benefícios e vantagens que ela propicia.   O que eu ganho com isso? Aplicações para automação de processos, enquanto sistemas estruturados, se revelam muito interessantes para a empresa por uma série de razões. A começar da padronização, as vantagens se desdobram, desenvolvendo-se em uma cadeia que podemos pensar como: 1.Padronização – processos definidos de maneira lógica e executados sempre da mesma forma levam à… 2.Simplificação – já foi realizado estudo mostrando que em uma empresa os funcionários usam em média 90 diferentes aplicações por mês e que não é rara a utilização de até 35 aplicações por turno de trabalho, caso em que os índices de erro aumentam em 28%. Uma estatística não significa que sua empresa também funcione assim, mas é um bom indicador de que simplificar resulta em maior… 3.Confiabilidade – é bem difícil medir os resultados do trabalho “manual”, que muitas vezes não expõe quebras de processo, aplicações ineficientes ou distrações dos empregados. As rotinas do trabalho organizadas por aplicações estruturadas são facilmente auditáveis, mostrando, a qualquer momento, como é efetuado cada passo. E as aplicações estruturadas, comparadas às não estruturadas, registram 50% menos erros de input. Com padronização, simplificação e confiabilidade chegamos à … 4.Otimização – com processos aprimorados, a empresa obtém… 5.Economia de tempo – além de eliminar o retrabalho, os processos otimizados exigem menor tempo e menos esforço para a realização de tarefas, o que significa também… 6.Economia de recursos – se os funcionários precisam de menos tempo para completar suas atividades, o custo de completar as tarefas é diminuído. Sem falarmos na economia com uma taxa menor de erros humanos, que também contribui para o aumento da… 7.Produtividade – um fluxo de trabalho desordenado é capaz de comprometer a produtividade nos ambientes corporativos, ao passo que a automação de processos possibilita melhor definição de tarefas, eliminando atividades desnecessárias e contribuindo para melhor retorno sobre o investimento, o que leva a maior… 8.Eficiência operacional – processos desordenados levam à perda da eficiência operacional e à queda na qualidade dos produtos ou serviços prestados pela empresa. Processos bem definidos e bem gerenciados integram as diversas áreas e sistemas da empresa e oferecem aos empregados a visão da empresa como um todo, em que cada uma e todas as atividades se completam para atender e encantar o cliente. É muito importante integrar os departamentos e desenvolver uma consciência de equipe dentro de seu negócio, em que todos os esforços são realizados para satisfazer as necessidades do cliente. Em consequência, elevam a … 9.Lucratividade – o resultado final de um processo produtivo em que cada etapa é cumprida com exatidão e em que cada funcionário trabalha com segurança e tranquilidade. 10.Melhor comunicação – esse item, colocado aqui em último lugar, não quer dizer que seja o menos importante. Ao contrário, o sucesso da empresa depende de fluxos de trabalho integrados entre todos os seus setores. A automação dos processos assegura informação de qualidade e atribuição clara de responsabilidades, garantindo e aprimorando a colaboração entre as diversas equipes. Se sua meta é melhor desempenho para sua empresa, tornando-a mais eficiente para oferecer melhores produtos a menores preços, você não pode mais esperar para automatizar seus processos. Baixe agora mesmo o nosso eBook “Automação de processos na era da transformação digital: uma mudança de paradigma”.